Arquivo de Tag | ginecologista

Mês #5

A foooome domina o meu ser. Sim, tem dias mais normais, mas tem outros que sinto uma fome quase permanente… resultado? Engordei quase 4 quilos em um mês! São 8 no total. Tomei um susto e um puxãozinho de orelha da ginecologista (esse mês a consulta era com ela, não sei bem porque). É que além da fome a minha vontade de comer coisas doces e menos saudáveis também voltou, daí fica complicado. Mas estou tentando controlar um pouco, comer como estava comendo antes que ia bem, mas já decidi que não vou encanar, se tenho vontade de comer uma coisinha gostosa vou comer, só vou tentar não abusar. Ela me disse que só posso engordar mais um quilo por mês, mas DUVIDO que consiga alcançar essa meta. O engraçado é que noto que depois dos dias de fome extrema, a barriga cresce um pouco.

Além disso estou sentindo que os meus tornozelos já estão inchando, mais que os pés até, e as mãos também. Sensação pra lá de desagradável, e o meu futuro é negro porque ainda enfrentarei o verão no final da gestação.

Ah, e fui apresentada à famosa azia! Pelo menos acho que é isso…o estômago e o esôfago sofrem com uma sensação de queimação, de ardido, é bizarro. E para completar a sessão “molestias del embarazo”, o troninho anda complicado e teve dia que quase chorei de desespero querendo fazer cocô!

Esse mês tive a ecografia morfológica, a que vê se a bezerrinha está com tudo no lugar, e os resultados foram perfeitos. Também tive uns exames de sangue bem completos, e a única alteração foi o ferro, então já comecei a tomar o mesmo pelas manhãs com um copo de suco de laranja.

O meu humor está totalmente cambiante, coitado do Tourinho que em um momento tem a pessoa mais fofa e mimosa ao seu lado, e no minuto seguinte tem a vaca louca dando coice (vaca também dá coice?).

No início do mês aproveitei para dar um banho de brilho/cor no cabelo, e foi quando me dei conta que realmente cai menos. Mas não vou cantar vitória, porque sei que depois de parir é queda livre, vou ficar careca e deprimida, então…

A barriga está bem redonda, umbigo quase planinho, e linha Alba bem visível. Os peitos estão pesando tanto que acho que vou começar a dormir de top, porque já me custa ajeitá-los.

Fora as queixinhas listadas acima me sinto muito bem, mas estou super ansiosa para sentir a filhota mexer. E nos falta o nome! A galera está “nelvosa”, no instante seguinte a descobrir que era menina todos começaram a perguntar se já tinha nome definido. Tarefa difícil né não?

Aqui a fotinho do 5º mês:

blog5

Anúncios

Habemus bezerrinh@

Siiiimm!!! Agora que completamos o primeiro trimestre já posso botar a boca no trombone e contar que a Vaquinha está prenha! Estamos muito contentes, e em breve começarei a postar as fotos da pancinha, das ecos, etc. Ah, e por supuesto que vou revelar minha identidade secreta, já que não há segredos para ninguém. No post de hoje deixo o relato (sempre longo) de como descobrimos o embarazo:

 

Com um ciclo de 43 dias e outro de 60, eu estava achando meu ciclo completamente bagunçado e decidi ir à ginecologista para ver se estava tudo bem ou se tinha alguma alteração hormonal ou coisa parecida. Ao chegar expliquei o que estava acontecendo e ela me perguntou se achava que estava grávida. Eu disse que não, porque um mês antes quando liguei para pedir a consulta havia feito um teste de farmácia e era negativo. Ela pediu para eu fazer xixi no potinho para descartar a gravidez e começarmos a investigar. A enfermeira (aqui sempre tem uma o tempo todo nas consultas ginecológicas) estava atrás de mim fazendo o teste e mostrou o resultado para a médica, quando ela veio e me perguntou:

– Mas tu queres uma gravidez ou não?

– Sim, estamos tentando.

– Pois já conseguiste, estás grávida!

– Sério???

Aqui entram as primeiras lágrimas que saltaram pela minha cara, junto à uma risada meio nervosa. Como não houve maneira de determinar tempo aproximado de gestação (eu fui exatamente pela falta de regularidade nas menstruações), me pediram uma ecografia para a mesma semana e me deram hora para ir visitar as comadronas, profissionais que fazem o pré-natal e o parto (tipo parteira mesmo).

Saí dali com o meu teste mijado na mão (tá, dentro de uma luvinha de látex) e liguei para o Tourinho, que trabalha ao lado do posto de saúde. Disse para ele descer que eu precisava falar com ele. Quando ele saiu do prédio desatei a chorar de novo, dizendo que já estávamos grávidos, que nem acreditava, e o coitado perguntando “já?”. Tentei explicar mais ou menos correndo porque ele tinha que voltar ao trabalho, mas ele estava tão surpreso que nem se alterou muito, só me dizia para me acalmar e que depois a gente conversava melhor, mas ficou feliz dentro do atordoamento dele.

No mesmo dia conseguimos fazer a eco, não deu pra ver nada além do saco gestacional, e ao final da semana tive a minha consulta com as comadronas, que me deram um livrinho-guia para ir me informando sobre a gravidez.

Duas semanas mais tarde, e segredo debaixo de sete chaves fomos fazer a segunda eco: 8 semanas de gestação e coraçãozinho batucando! Foi a deixa para contar para a family e alguns poucos amigos. Todos muito felizes, claro!

Quase completando as 12 semanas contei no trabalho (a pança já estava muito na vista) e para o casal de amigos mais próximos que temos aqui em Barcelona, e agora que temos a ecografia final do primeiro trimestre na mão já podemos gritar aos 4 ventos: HABEMUS BEZERRINH@!

Do avesso

Em uma das minhas primeiras consultas meu ginecologista amado me explicou que eu tenho o útero retroverso, e exatamente por ser um amado, na mesma hora explicou que eu não me preocupasse porque isso significa simplesmente que o meu útero é virado para trás e não para frente, ponto. Lembro como se fosse hoje (e lá se vão uns 15 anos) que ele fechou a mão e com o punho para frente mostrou o que é o útero mais comum, e girando a munheca para trás se via o meu tipo de útero. Prontamente ele me tranquilizou dizendo que isso é bastante comum, e que de forma alguma significaria problemas de fertilidade.

Outra coisa que tenho “do avesso” é o meu mamilo. Assim mesmo no singular porque só o direito se esconde, apesar de que o esquerdo é meio preguiçoso também e só se assanha com estímulos (me refiro ao frio também, hein?). Ele simplesmente não sai, posso morrer de frio ou ganhar uns carinhos mais atrevidos e nada, se enruga todo mas não salta para fora. Onde já se viu uma vaca com uma teta meia-boca?

Agora que estou mergulhando no mundo da maternidade resolvi pesquisar um pouco sobre estes temas, e só confirmo o que o médico já tinha me dito: útero retroverso (ou invertido, virado, etc.) não é problema algum para engravidar. Já o peito viradinho vai me dar um pouco mais de trabalho, porque mesmo com um bezerrinho atracado nele pode que o danado não se “manifeste”, então durante a gravidez terei que preparar as tetas da vaquinha!

Aqui vão alguns links onde eu andei pastando para quem quiser saber mais:

útero

Wikipédia: Retroversão uterina

BabyCenter: Anomalias anatômicas do útero

Toque ginecológico: Seu útero é virado ou invertido?

Engravidar: Útero invertido

mamilo

BabyCenter: Amamentação com mamilos planos ou invertidos

Babysitio (en español): Pezones planos e invertidos

SINA (en español): Pezón plano, pesón invertido y lactancia

Vaquinha no ponto

O ninho está pronto! Ou pelo menos é o que a citologia diz… Agora fico mais tranquila de saber que está tudo bem comigo, e que já só depende da natureza.

O tourinho e eu conversamos  e decidimos que já não vamos usar camisinha, mesmo que ainda não faça três meses que parei com a pílula e comecei com o ácido fólico. Achamos que a gravidez não vai vir assim tão rápido, e se vier será muito celebrada. Pelo que tenho lido também não seria nenhum problema que uma gravidez desejada e planejada viesse antes destes três primeiros meses, o importante é estar saudável e ter vontade.

Agora é relaxar e ir praticando, que é fundamental! E ir lendo, pesquisando, me informando sobre tudo, já que não posso (pelo menos não agora) contar com a sabedoria das vacas-mãe da família e amigas.

Pues nada, vamos abrir essa porteira e esperar o bezerrinho chegar!

3, 2, 1…

Amanhã vou buscar o resultado da citologia, e saberemos se a vaquinha está liberada para procriar. Ainda não falamos se já vamos abrir mão da camisinha ou não, mas o mais provável é que a gente aproveite para relaxar. Aliás, relaxados já fomos no mês passado, tanto é que eu fiquei meio nelvosa esperando minha menstruação.

É que eu ainda não sabia quando e como viria a dita cuja, e ao haver sido um pouco descuidados, comecei a ficar meio estressada no início do mês. Se o meu primeiro ciclo fosse de 28 dias, eu deveria ter menstruado mais ou menos no dia 27 de abril, mas tudo o que eu tive foi meio que uma TPM até o dia 30. Ok, já tinha lido que tinha que ter paciência porque o corpo ainda tem muito com o que se acostumar. Daí comecei a ter umas perdas de sangue, ah vai começar então, beleza! E fiquei na tal sujeirinha até o dia 4, 35 dias depois da minha última menstruação!

Eu já estava lendo tudo o que achava na internet, se era normal demorar, quais eram os sintomas de gravidez, se podia estar alguma coisa errada, blablablabla. O tourinho coitado já estava até rindo meio nervoso, e decidimos que se não descesse a monstra até o fim de semana faríamos um teste de farmácia. Nunca imaginei que fôssemos ficar tão maluquinhos já no primeiro ciclo. Enfim, li que tinha que esperar mesmo porque é normal que o nosso corpo fique meio pirado depois de parar com a pílula (mas também existem as abençoadas reloginho).

Para a próxima acho que não vai dar galho, porque estamos sendo mais disciplinados e porque estive numa fase esponja (tradução: assexuada, para desespero do marido).

Honestamente? Estou louca para abrir a porteira, largar a camisinha, relaxar e esperar que a natureza se encarregue do resto…já veremos!

Primeiros passos (os nossos)

Dia 23/03 fui à ginecologista para fazer uma revisão e dizer que quero começar a tentar engravidar.  Aqui em Barcelona uso o sistema público de saúde e tudo vai mais lento do que quando tinha convênio particular no Brasil. Só para ter a consulta tive que esperar mais de um mês, e o resultado de um simples papanicolau demora dois meses (!!!) em sair.

A médica deu uma olhada em um hemograma mais ou menos recente e não pediu nada mais, receitou ácido fólico para os três meses anteriores à gestação e disse para parar com a pílula pelo mesmo período. Disse que eu já poderia começar a contar estes três meses antes do resultado dos exames, e se tudo estiver bem só me faltaria um mês para liberar geral.

Assim que depois de algumas noites conversando, decidimos que na semana seguinte eu já não compraria a próxima cartela de anticoncepcional, e que começava oficialmente a nossa fase de “tentantes”.

Estou quase completando o meu primeiro mês sem pílula depois de 14 anos tomando a maldita, ainda não sei como funciona ou funcionará meu corpo sem essas porcarias. O brabo é usar camisinha depois de tantos anos, é difícil para os dois e obviamente não estamos sendo 100% cuidadosos com isso mas no pasa nada. Em um mês terei o resultado do papanicolau e saberemos se ficamos livres em breve ou não.