E a Bezerrinha já não mama…

Pois é pessoas, depois de uns 3 meses sem escrever, entro aqui só para contar que a Bezerrinha já não precisa das tetas da Vaquinha. Quer dizer, não é questão de precisar ou não, mas já víamos que era um bom momento, e fomos fazendo essa transição de uma forma tranquila, ao ritmo das envolvidas, sem causar maiores traumas para ninguém. Vou explicar do começo:

Minha meta inicial era amamentar a Laia exclusivamente até os 6 meses, objetivo alcançado com sucesso e com uma bichinha que era tão chegada na teta que nem queria saber de comer. Depois determinei que seria muito importante ela mamar até 1 ano porque teríamos muitas mudanças (casa, país, família, creche…) e eu acreditava que o meu peito seria o seu porto seguro, seria aquela referência dentro de um panorama com tantas alterações e que não sabíamos o quanto ia afetar esse pequeno ser. Outra vez tivemos êxito, a Bezerrinha pedia teta ainda umas quantas vezes durante o dia, mas principalmente de noite, e a adaptação na escolinha foi com a mamãe ali, disponível na recepção, ou em formato “tele-teta” quando ela não comia direito e ficava resmunguenta. Mas para finalizar este período de “independência bezerrística” tínhamos que cortar de vez o vínculo físico que nos unia.

Admito que foi duro, eu tive momentos de tristeza, de dúvida, de querer não querendo, de achar que era certo mas errado… o Tourinho tentava me ajudar com o processo mas eu só sentia a pressão, e reagia até mal às tentativas dele de definir estratégias ou datas em que começaríamos as novas etapas. As primeiras vezes em que eu evitei deixá-la chegar no peito me doeram na alma (nunca neguei, mas muitas vezes a distraí, para ver se o que tinha era fome ou simplesmente pedia atenção), assim como quando eu começava a mudar o foco enquanto ela estava agarrada na teta (outra técnica que me haviam explicado, de tentar encurtar o tempo das mamadas). Quando o papai levou para a caminha de noite, para fazê-la dormir sem a teta, não sei quem chorou mais, se ela ou eu. Sabíamos que ela não tinha fome, e que não estava sofrendo, só protestava por uma mudança na sua rotina, mas foi doído.

O incrível disso tudo foi perceber que se respeitarmos os nossos tempos, o processo é muito mais curto e leve do que se imagina. Depois de duas ou três noites a Laia já ia pro colo do Tourinho bem feliz na hora de dormir, curtindo o novo momento com o pai, e eu já me sentia livre de poder ajeitar umas coisas ou simplesmente me atirar na frente da TV naqueles minutos sozinha. Mais algumas poucas noites e ela de repente não me chamou mais na madrugada. Decidiu que se sabia dormir sem mim, também sabia passar o resto da noite sem as tetinhas. Às vezes resmunga, choraminga, alguém dá o bico (a fatídica chupeta, assunto para outro post), e ela segue o seu soninho. Então ela passou a mamar só uma ou duas vezes em todo o dia, normalmente antes e depois da creche, depois foi passando 24, 36, 48 horas sem mamar, vinha e pedia um chupito del amor, e lá ia ela para mais uns dias sem peito. Até que na semana passada, com exatos 15 meses de idade, ela deu uma looonga mamada em um domingo de manhã, acordando, brincando com as minhas mãos, olhando nos meus olhos, entre eu e o papai na cama grande, e depois de dar umas espiadas com cara estranha para aquele peito meio murcho (sim, já saiu bem pouca coisa), se levantou rindo pronta para brincar, e não me pediu mais para mamar!

Apesar da nostalgia, do sabor agridoce na boca, me deu um baita orgulho! De mim que fui firme e não aceitei em nenhum momento tomar remédio para secar o leite, me fiz escutar e entender de que tínhamos todo o tempo do mundo para isso; do Tourinho que dentro das coisas que ele não sabe e não entende faz um grande esforço para se envolver e participar, tentando acertar e ser o melhor pai e marido; e da Bezerrinha que mostrou que um bebê pode sim ir mostrando se está preparado para as novas etapas da sua vidinha, e que é cada dia mais mimosa e carinhosa, se é que isso possível!

Só para completar o relato do desmame, afirmo que sou testemunha de que o corpo humano é extraordinário!!! Só com o fato de o filhote demandar cada vez menos, a mamífera vai produzindo menos e menos leite até acabar. Nas primeiras vezes em que a Laia ficou muitas horas sem mamar, meu peito enchia e parecia uma bola, duro e até com uns nós, o que me fazia inclusive oferecer a teta antes mesmo que ela pedisse. Mas progressivamente ia enchendo cada vez menos a intervalos maiores, mas se ela pedia, ainda tinha o que beber. Agora já são 10 dias, e meus peitos estão ali, bem vazios, sem nenhum incômodo. Ah, e a menstruação que não aparecia há muito, chegou para ficar!

Acabou uma fase, mas eu sei que o amor em estado líquido que ofereci para a minha filha foi mágico, e que em qualquer outro estado ou forma só vai crescer junto com ela, e estará sempre aqui em livre demanda!

Desde os primeiros minutos de vida até os 15 meses, alguns dos lindos momentos da nossa história de amamentação.

Desde os primeiros minutos de vida até os 15 meses, alguns dos lindos momentos da nossa história de amamentação.

1 ano de bezerrices

Siiiimmm!!! A Bezerrinha completou 1 aninho fora da barriga, e já em pastos gaúchos. Foi um mês com mudança de país, de passar de uma vidinha tranquila só com os papais a morar com a bisavó e ter uma galera em cima todo dia, de dentes novos, de comida quase sem nenhum controle, de passeios de carro ao invés de carrinho…vamos por partes!

Nos últimos dias em Barcelona a Laia foi à praia, fez piquenique de despedida com os amigos, se divertiu em um apê vazio, dormiu no chão. A viagem em si merece um post especial, mas deu tudo certo e ela ficou super bem apesar do cansaço.

A adaptação à nova vida está sendo muito rápida: ela é bem tranquila e rapidinho vai para o colo de qualquer um. Está curtindo muito ter um primão para brincar, uma bisa para mimar, e está comendo várias coisas novas. Ainda não é uma mastigadora compulsiva, mas tenho esperanças.

Na questão da alimentação decidimos não interferir na comida que é normalmente preparada na casa, aproveitando que nessa idade já podem provar quase tudo. Complicado só é controlar os impulsos alheios de oferecer doces e porcarias, explicando que não há necessidade de começar tão cedo com essa basura.

Há poucos dias saíram 3 dentes superiores ao mesmo tempo, e a bichinha também teve reação às vacinas dadas antes da viagem, daí houve uns dias muito ruins com bastante chororô. Mesmo assim é um amor e praticamente não incomodou nada.

Outra novidade na rotina dela é que agora dorme acompanhada: para não voltar ao nosso quarto, dorme no quarto da bisa, mas na sua própria cama de “gente grande”. Como ela só acorda uma ou duas vezes para mamar, até que está dando certo.

A mamãe só está sentindo muita falta de passear com a pequena, botar no carrinho, tomar um sol e ir a qualquer lugar facilmente. Aqui a mobilidade é bem reduzida, se usa muito o carro, e me dá um pouco de pena quando me dou conta de que ela não viu a rua o dia inteiro.

E a superdupermega notícia do primeiro aninho é ELA CAMINHOU!!! Na frente de tooooda a família, deu seus primeiros passos, na minha direção. Chorei que nem sei (e todos os membros femininos do rebanho também), quase morri de orgulho de ver minha pitoca crescendo, deixando de ser um bebezinho e se entregando para o mundo.

Estamos muito felizes, meio bagunçados ainda, mas com esperanças de uma nova etapa bacana para a nossa família. É possível que eu demore um pouco para escrever novos posts, mas pretendo manter o blog o mais atualizado possível.

A comemoração da Bezerrinha

A comemoração da Bezerrinha

Mimosa, mesmo vestida de outro bicho!

Mimosa, mesmo vestida de outro bicho!

 

 

11 meses de bezerrices

Esse mês foi bem caótico por causa da mudança e o próximo será pior ainda, mas vamos lá! A bezerrinha cansa de ficar correndo de um lado para o outro perseguindo uns pais que não param quietos e não lhe dão a devida atenção, e tem dia que fica bem estressada. Mas basta dar uma voltinha com ela que fica numa alegria só, é bem callejera. Adora ver a criançada, e “namora” os pais e mães alheios. E descobriu que sabe acenar, então distribui tchauzinhos por onde passa.
Saiu mais um dente na boquinha mais linda que há, também embaixo, e nada de aparecerem os de cima. Ela já parou um pouco com a palhaçada de morder meu peito, mas às vezes ainda pega nossos dedos e mãos de jeito.
A matraquice está forte, e chegamos à conclusão de que nem todas as sílabas são aleatórias e já rola “papapa” e “mamama” dirigidos às nossas pessoas. Pena que somos tão toscos que não tivemos aquele momento mágico de comercial lacrimejante. Mas a primeira palminha eu vi e achei linda, ela ficava olhando para as mãos impressionada com o barulho que faziam.
O quesito alimentação deu uma evoluída: se é comida que ela gosta, a bichinha come até raspar o prato. Mas oferece verdura, fruta, purês e ela vira a cara e não há cristo… Pouco a pouco vamos liberando alimentos mais “normais” e acho que assim que o menu dela for exatamente o mesmo que o nosso, vai deslanchar. Já que ela não aceita os cereais de manhã e de tarde damos pão ou bolachinha para bebês, e água sempre que lembramos. Mas o amor pela teta resiste e persiste!
No último fim de semana finalmente levamos a Laia para conhecer a praia! A areia dá nojinho e não quer tocar, e chorou no mar porque a água estava um pouco fria, mas foi se soltando e curtiu. A segunda ida foi ainda mais legal porque fomos as 4 famílias aqui do bairro, o grupinho que formamos ainda grávidas, um amor ver esses pequenos descobrindo um mundo novo.
Algo maravilhoso aconteceu durante umas semanas: dormimos noites inteiras! Todas chora da emoção…maaaas, só pra contrariar e o post não ser comemorativo, aviso que faz uns dias que pede uma teta na madruga.
E a última fofurice do mês: a doña Laia já é uma pessoa documentada, fez a sua identidade e passaporte espanhóis para poder viajar! Fina hein?

 

Adorou o feijao com arroz, mas já mudou de ideia...

Adorou o feijao com arroz, mas já mudou de ideia…

Curtindo uma praia com a bebezada!

Curtindo uma praia com a bebezada!

Fazendo compras com a mamae

Fazendo compras com a mamae

 

 

 

 

 

 

10 meses de bezerrices

Não teve tanta novidade como o anterior, mas cada mês merece ser comemorado e registrado!
Falei que tinha medo que rolasse uma queda da minha cama na hora das mamadas, dito e feito: um dia ela estava na tetada da manhã, ferrei no sono e acordamos com um barulhão e um choro horrível! Quase morri de culpa me achando malamadre, mas um pouco de peito e mimos foram suficientes para que a Laia estivesse rindo e conversando em poucos minutos. Mas a cabeça anda sendo atraída ao chão frequentemente, juro que tem hora que estou cuidando e não sei como em um segundo BAM! Porrada! E ela tem a habilidade de cair até quando já está deitada, incrível. Também já fez um kamikaze do sofá na hora da siesta e tivemos que adaptar o canto dos brinquedos para ser também caminha.

O novo cantinho da siesta

O novo cantinho da siesta

Além de estar atenta aos tombos agora é uma canseira só ficar em casa com essa bichinha, engatinha por toda a casa na velocidade máxima, levanta e abaixa milhares de vezes, morde cabos, chupa chinelos, come rejunte, papel ou qualquer outra coisa do chão… Tenho um filhote de cachorro e não uma bezerrinha! E essa hiperatividade está coincidindo com o nosso processo de mudança, então imaginem o caos.

Dentes de vampiro ou brinquedo inteiro na boca?

Dentes de vampiro ou brinquedo inteiro na boca?

Sem falar que o grude é incrível, se ela está distraída e saímos um minuto de perto ela vem imediatamente se pendurar nas nossas pernas. O jeito é levá-la onde formos e ir dando objetos variados para conseguir realizar simples tarefas!
E a obediência zero da pessoinha? O “não” é o mesmo que “dá um sorriso safado e segue atentando contra a tua segurança”. A gente insiste, mas o mais eficaz é mudar o foco, e levar a bichinha para outro lado.
Não saíram mais dentes, mas com os dois que deram as caras ela aprendeu a fazer algo beeeem bacana: morder o meu mamilo! Céus, já falei, já gritei e até uma palmada dei do susto (me julguem, mas foi reflexo mesmo). Sossegou, mas se seguir assim teremos que pensar seriamente em desmame, porque não curto masoquismo.

Meus dois dentoes!

Meus dois dentoes!

Eu vou enrolando pra não ter que falar de comida, mas tem que comentar né: HAJA SACO!!! Numa semana ela resolve que tudo é gostoso, na outra parece que desaprende a comer. Um passo para a frente e três para trás, bate o desânimo. Já me arrependi de nunca ter oferecido mamadeira ou chupeta, de ter começado com o BLW antes das papinhas, já pensei em fazer terrorismo e negar a teta até se entregar aos cereais. Enfim, tento respirar fundo e repetir pra mim mesma que um dia vai, um dia vai, um dia vai… Seguimos oferecendo diariamente as duas refeições principais, e dependendo da lua (a nossa, a dela, conjunções) algo de manhã e de tarde.
Espero poder contar que as coisas evoluíram no próximo mês!

Comemorando o mêsversário na piscina!

Comemorando o mêsversário na piscina!

 

 

 

 

Maternidade real

Outro dia a Romana do É a mamãe sim e a Carol do Meu parasita querido postaram fotos para ilustrar a realidade da maternidade nas casas delas, inspiradas em uma fotógrafa que registra momentos banais da vida dela com os filhos. Como eu sou uma pessoa super criativa e original, vou imitar as duas e publicar umas fotinhos do meu dia-a-dia com a Bezerrinha. Obviamente não fui capaz de fazer todas as fotos no mesmo dia, nem de postar antes, porque sou um desastre em administrar meu tempo e o blog…bueno, bienvenidos a nuestro corralito!

 

20140521-020947.jpg

para que brinquedo?

20140521-021001.jpg

sim, comemos na frente da tv, me julguem…

20140521-021026.jpg

trabalho infantil

20140521-021053.jpg

assim sou eu a maior parte do dia, de pijama, cabelo preso, e sentada no chão!

20140521-021106.jpg

e a pia estava até vazia, porque tem dia que nossinhora!

20140521-021114.jpg

nas “oropa” tanque é artigo raro, roupa suja se lava na pia…

20140521-021140.jpg

e o dia/noite começa/acaba sempre igual, tetinha da madrugada…

9 meses de bezerrices

Gente que mês mais louco!!! O bebezinho vai embora e fica uma miniatura de gente circulando pela casa! É muita mudança para um mês só.

Levantar e fazer bagunça é tudo o que ela quer!

Levantar e fazer bagunça é tudo o que ela quer!

A Bezerrinha começou a engatinhar um dia depois do mêsversário bem na nossa frente, uns 3 “passinhos”, mas depois não repetiu o feito por alguns dias, e de repente lembrou que já sabia passear e não parou mais. Também aprendeu a ficar de pé subindo nos móveis, além de escalar na gente quando estávamos sentados com ela. Do dia para a noite tivemos que adaptar toda a sala: tiramos os objetos perigosos de cima da mesa auxiliar onde ela mais sobe, colocamos protetores nas tomadas, e como a cozinha é aberta também demos uma revisada no que está à vista, deixando uns “brinquedos” ao alcance das mãozinhas que não param.

O dentinho ficou bem à vista, e há alguns dias o segundo já deu o ar da graça. Com este veio um pouco de cocô verde de novo, mas situação totalmente controlada. E não sei por que mas babou bastante agora.

Em teoria conseguimos voltar um pouco à rotina da hora de dormir, mas obviamente tem noites que não dá nada certo e ela acaba apagando depois da meia-noite. Seguimos com mamadas noturnas, agora com o “plus” de que ela se agita um monte quando está na teta e quase se atira da cama, tenho que ficar ligadona para não rolar um suicídio.

O “vocabulário” aumentou para várias sílabas repetidas à exaustão, e descobriu que com a boca pode fazer várias brincadeiras (faz “brrr” com a boca fechada, com a língua para fora, faz rolinho com a língua e grita, uma festa de sons e baba). Aprendeu a dar beijo (abre a boca e encosta na nossa bochecha, deixando uma babinha bem gostosa) e de vez em quando dá tchauzinho (espichando o braço e mexendo os dedinhos).

Quer comer sozinha, independente e teimosa!

Quer comer sozinha, independente e teimosa!

E a comida? Parece que agora vai! Tem dia que enche bem a mão e leva à boca repetidamente chegando quase a ficar sem ar, tal a voracidade, e quando está assim de animada com a comida até permite que ajudemos dando um pouco na colher (quando é algo em pedacinhos muito pequenos ou com textura pastosa), mas ela prefere comer sozinha, pegando a colher e corrigindo o lado quando se dá conta que está chupando a ponta errada. Ao ser tão independente as quantidades engolidas ainda são relativamente pequenas, por isso continua mamando bastante. Acredito que o fato de começar a preparar comidinhas com mais ingredientes misturados e mais temperadas (mas sempre sem sal) ajudou, e tem o lance do tempo de cada bebê, talvez esse seja o ritmo dela. Mas não cantemos vitória, temos muito caminho para trilhar ainda e ter uma filha que come refeições inteiras e que vai trocando as mamadas por sólidos.

O bom tempo também nos permitiu fazer algumas primeiras experiências: brincar no balanço no parquinho e pisar a grama. O primeiro ela adora, e o segundo estranhou bastante e eu me finei de rir, agora quero que brinque na areia pela primeira vez, já contarei os resultados.

Graminha deu "coisa", nao queria tocar...

Graminha deu “coisa”, nao queria tocar…

Só posso dizer uma coisa, cada dia morro mais de amor pela fofurice extrema da minha bichinha, que venha o mês 10!

8 meses de bezerrices

Azar se foi já no finalzinho do mês, mas o mais legal tem que ser comentado primeiro: saiu o primeiro dentinho! A Bezerrinha estava toda feliz atacando meu dedo e senti a coisinha dura, tipo uma unha de tão fininha e já ia olhar para ver o que ela tinha metido na boca, quando me dei conta de que era um dente! Morri de emoção né, não precisa nem dizer…
E os sintomas? Pois é, há controvérsias. Ela estava com diarréia há 3 dias, um cocô verde que deixou ela super assada, mas segundo os pediatras (foram dois em dias diferentes) não tem a ver, provavelmente o desarranjo foi causado por uma otite em um dos ouvidos. Não sei, só sei que chorei com ela quando doía a bundinha na hora de limpar, e passei um dia inteiro em casa trocando fraldas quase a cada hora e lavando na pia só com água, enchendo de pomada e maisena. E ainda por cima a tal da otite nos trouxe o primeiro antibiótico da bichinha, pena ao cubo!
Bom, além disso ela descobriu duas sílabas, o “ba” e o “da” e fica horas repetindo, rio muito e fico querendo engolir de tão fofa.
Temos um ser que se move, muito. Bota sentada em um lugar, em poucos minutos está em outro ponto. É um estica, mexe a perna, pega o brinquedo, senta de novo, só de olhar cansa. E escala pai e mãe, agarra roupa, sobe nas pernas e quer ficar de pé. A bunda balança e rebola durante os segundos que fica de quatro.
O tema comida é o que nos domina agora, seguimos acreditando no baby led weaning, até porque é ver a colher se aproximar à boca e ela vira a cara, mas quando os pedaços são oferecidos para ela pegar daí começa a refeição. Ela já come (atenção, comer não significa encher a barriga) maçã, pera, banana, pão, arroz e adorou frango. Ah e toma água no copinho. Realmente tenho notado um maior interesse dela, e acho que respeitando o seu ritmo vamos ter menos estresse e frustração. É claro que eu adoraria dizer que a Laia já bate um pratão e fica na boa sem mamar umas horinhas, mas não quero forçar nada e aproveitar a nossa situação atual para fazer estes “experimentos”.
Outra novidade é que além de bezerra agora ela vai virar peixinha: começamos natação para bebês! Ela gostou bastante, batia pernas e braços, faceira. Só não curtiu mergulhar, mas nos disseram que é normal e que depois teoricamente se acostumam.
O sono segue um desastre, não sei se por causa das “perebas” é que piorou, mas tem noite que ela acorda cada duas horas. Tem dia que pareço um zumbi, esgotada mesmo e com um humor do cão. Realmente não sei quando vai melhorar, só sei que cada noite eu torço para que ela durma umas horinhas a mais.

20140407-232247.jpg