O primeiro a gente nunca esquece

Dizem que as primeiras vezes ficam para sempre na memória: o beijo, o sutiã, o namorado, a viagem, a escola, o trabalho… Existem milhares de “primeiros” e há uns dias fiz o meu primeiro teste de gravidez. Não sei se vai ficar assim tão guardado, mas sim senti praticamente todos os “sintomas” das primeiras vezes, um misto de ansiedade, otimismo, medo.

Disse para o tourinho que quando entrei na farmácia me senti como se fosse pedir um aumento ao chefe ou falar em público, aquele frio no estômago e respiração acelerada. Ao falar com a farmacêutica eu usei o meu truque: ser engraçada e mega simpática. “Quer o digital ou o normal?”, e eu com uma cara de interrogação, perguntei qual era o mais confiável, já que uma amiga tinha alertado para não comprar um muito barato que pode dar resultados falsos. Segundo ela não tinha diferença e ambos eram confiáveis, simplesmente um tem que interpretar as listrinhas e o outro diz na tela em letras garrafais “(no) embarazada” e de quantas semanas é a gravidez. Comprei o teste for dummies porque já estava meio doida esperando a monstra há uma semana e sem sentir sintoma algum, e lá fui esperar o resto da noite de sábado. O tourinho estava super tranquilo, e eu uma pilha, não consegui nem dormir direito. O problema de usar o primeiro xixi da manhã é que eu levanto no mínimo uma vez todas as noites, assim que combinamos que quando a bexiga me acordasse eu o chamaria para fazer o passeio ao banheiro. E foi assim que pela primeira vez fiz xixi num palitinho, e fiquei sentada ao lado da patente* esperando que um aparato de 13 euros pudesse marcar uma grande diferença nas nossas vidas.

O tourinho me diz: estou vendo umas letrinhas… “no embarazada”. Ah então tá, já sabemos que não é bezerrinho, é só o meu corpo fazendo uma brincadeira sem graça. Vamos voltar a dormir, que é domingo e tenho sono. Fiquei chateada, não me sentia grávida mas também não entendia o que estava acontecendo, é complicado não ter controle nenhum sobre o meu corpo e ter que esperar e esperar.

Depois de 13 dias de atraso veio a monstra, e como prometido fiquei longe do blog umas semanas para desopilar, mudar um pouco o foco e respirar outros ares. Bora seguir tentando, que é a parte mais divertida!

 

*patente = vaso sanitário para o pessoal do sul

Anúncios

2 pensamentos sobre “O primeiro a gente nunca esquece

  1. Aaaahhhh… mas é assim mesmo! Eu morria de frio na barriga cada vez que ia fazer o teste. Pior era a vergonha de comprar o teste, como se eu estivesse fazendo algo de errado!
    Na segunda vez que fiz (pós aborto, seis meses de tentativas) eu já tinha muita certeza antes mesmo de fazer o teste. Entrei toda confiante na farmácia para comprar, e nem precisei ver as duas tirinhas pra ter ainda mais certeza!
    Não se preocupe, o negócio agora é seguir nas tentativas, que realmente são a melhor parte!
    Vou ficar na torcida.
    Bjos

Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s